Baleizão é uma freguesia do concelho de Beja.A Freguesia tem uma área com 138,25 km² de área e 1056 habitantes. É uma das freguesias mais importantes do concelho de Beja. Aqui foi assassinada, em 1954, a jovem Catarina Eufémia, durante uma manifestação pelos direitos dos trabalhadores rurais alentejanos. A freguesia é delimitada pelos concelhos da Vidigueira e Serpa e pelas freguesias de Quintos, Salvada e Neves. Está situada a 13 Km da cidade de Beja   e a 47 Km da fronteira espanhola(povoação de Vila Verde de Ficalho). O povoamento da freguesia remonta a épocas pré-históricas. Local com grande história como podemos ver pelos nomes das propriedades, montes e áreas específicas.

Castelos - mostra relação com, provavelmente, a existência de um aldeamento lusitano antes dos romanos.
Comenda - indica que o território de Baleizão pertenceu em tempos a um nobre local: D. Pedro XIX.
Frades - indica prédios de corporação monástica, o que mostra que pode ter existido um pequeno cenóbio nos séculos centrais da Idade Média, apesar de não existir nenhum registo documental.
Paço - está ligado à nobreza medieval.
Sesmarias - relacionado com a agricultura e com a respectiva lei.

Património

Freguesia com elevado património cultural e histórico, como por exemplo a igreja paroquial, a Ermida de S. Luís, a Igreja do Fidalgo, casa senhorial com capela (Monte do Olival), fortins, Quinta de S. Pedro, moinhos de água e muitos vestígios arqueológicos.

 

 

Gastronomia

Tem como gastronomia tradicional a açorda alentejana, as migas, o ensopado de borrego e a vinagrada, no que toca a doces predominam os bolos da amassadura, bolos folhados, cristas e merendeiros.

Festividades
Tem como festas e romarias a festa de Nossa Senhora da Graça e o Senhor dos Passos.

Economia
Predomina o sector primário como base da economia da freguesia, apesar de já existirem muitos trabalhadores no ramo do comércio e serviços na cidade de Beja. Sementeira de trigo e girassol e mais recentemente culturas de vinha e olival são as principais explorações agrícolas, ainda uma zona de montado que é explorada com a criação de gado bravo de onde saem muitos touros para corridas em Portugal e no estrangeiro com ferro de renome internacional.

Curiosidades

Baleizão, também conhecida por Terra de Catarina herdou este nome devido à coragem de uma mulher trabalhadora que enfrentou as forças da autoridade, pelas quais foi assassinada. Coragem que fez dela ídolo da população e que ainda hoje, 50 anos após a sua morte e 30 anos após a primeira possibilidade de homenagem, quase um milhar de pessoas esteve presente no 19 de Maio junto ao local onde foi assassinada.

Freguesia rural mas de infinita beleza marca todos os que por lá passam como diz a canção (moda) a que deu origem:

"Ó Baleizão, Baleizão / Ó terra Baleizoeira / eu hei-de ir pra lá morar / Queira o teu pai ou não queira". Também adaptada a Catarina Eufémia e como mais uma homenagem que este povo lhe prestou: "Ó Baleizão, Baleizão / Ó terra de Catarina / Onde nasceu e morreu / Com uma bala assassina".